quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

A alimentação e a vida na Terra


Na semana passada, o Bom Dia Brasil, da Rede Globo, exibiu uma reportagem que abordou a ameaça à culinária japonesa em face do risco de extinção do atum, iguaria principal no preparo do sashimi. Em dado momento, um chef oriental foi entrevistado e afirmou que caso não pudesse mais preparar o prato, se sentiria imensamente frustrado, pois uma tradição estaria sendo encerrada. Essa reportagem traz um claríssimo exemplo de como uma questão ampla, com conexões éticas e ecológicas, é geralmente tratada de forma absolutamente simplista, evidenciando a estupidez e o espírito mesquinho de tantas pessoas. Em momento algum questionou-se a razão que vem promovendo a extinção do atum, muito menos a menção ao fato de que não se trata somente dessa espécie. O foco foi apenas a culinária em questão, não a vida na Terra.
Não é necessário ser um grande conhecedor de Biologia para saber que a pesca comercial, que envolve não somente o atum, mas uma vasta quantidade de espécies marinhas, tem gerado uma pilhagem brutal nos oceanos e contribuído acentuadamente com a destruição desses ecossistemas. O modo como esse tipo de pesca é realizado, com a utilização de imensas redes que promovem a maximização da captura, retira da água um número de peixes e outros seres marinhos, muito maior do que a natureza estaria preparada para, digamos, se "autorregular". Além do que é pescado para ser destinado ao consumo humano, a pesca comercial é responsável pela morte de criaturas como golfinhos e tartarugas marinhas, que costumam se enroscar nas redes. Quando sobrevivem e são devolvidos ao oceano, esses animais apresentam na maioria das vezes, ferimentos graves que fatalmente gerarão morte futura, até lá, prolongam-se a dor e o sofrimento. Atrocidade causada por aquilo que as pessoas comem. Peixinho frito, camarão na moranga, pirão... Você gosta? Você está preocupado com seu sashimi? Se respondeu afirmativamente, ao menos pare um pouco para refletir.
Como se nota, a questão vai muito além da ameaça à culinária japonesa. A pesca comercial, aquela que abastece os mercados e que faz chegar na sua mesa o peixe que você consome, não se resume à extinção do atum e ao fato de você ter que abrir mão do sashimi, é muito mais do que isso, é uma tragédia que põe em risco toda a vida no planeta. A destruição dos ecossistemas marinhos acarretaria num desequlíbrio total da cadeia alimentar e faria com que microorganismos realizadores de fotossíntese, esses sim os verdadeiros "pulmões" do mundo, também fossem extintos. Há um número considerável de pesquisas sérias mostrando que se a pesca comercial continuar a ser realizada, dentro de meio século a vida nos oceanos pode entrar em colapso. Daí em diante, a vida fora dos oceanos também estaria correndo seríssima ameaça.
No Brasil, até há não tanto tempo, comer peixe crú era considerado um hábito nojento. Bastou a culinária japonesa se disseminar entre o público "descoladinho" e virar cult para cair cada vez mais no paladar de muita gente. Ou melhor, possivelmente não se trate de uma questão de paladar, mas sim de aderir às modas. Pode ter certeza, existem alimentos muito mais gostosos do que essa porcaria dessa moda ridícula de peixe crú. E certamente alimentos que não causam desequilíbrios ecológicos, muito pelo contrário. Não é necessário que o pobre atum deixe de existir para pôr abaixo o consumo de sashimi, basta pensar.
Agora, se você não é um esquimó ou membro de alguma tribo indígena, que pesca a partir da utilização de meios artesanais e apenas para a subsitência, abula o consumo de peixes em geral. Vá ainda além, poupe vidas, acabe com o sofrimento e com a dor dos animais, adote uma dieta integralmente vegetariana. Um pingo de racionalidade faz perceber facilmente que uma relação harmônica entre animais humanos e não-humanos é muito mais saudável, contribui com a continuidade e com a qualidade da vida na Terra e nos faz menos violentos e menos destruidores. Tudo isso, obviamente, vale muito mais do que uma simples questão de paladar.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Os absurdos nossos de cada dia



No comecinho desse ano, a imprensa esportiva brasileira teve surtos de euforia com duas ou três boas atuações de Ronaldinho Gaúcho no Campeonato Italiano. O jogador não realizava nada de minimamente significativo desde antes da Copa de 2006, competição na qual foi um dos comandantes do verdadeiro circo que se passou durante a fase de preparação. Quase quatro anos depois, eis que ele aparece novamente fazendo gols e enchendo os olhos dos comentaristas. Claramente, os programas esportivos não têm muito o que abordar nos primeiros dias do ano, fato que contribuiu ainda mais para a babação de ovo em relação a Ronaldinho. Veio o derbi Inter x Milan, partida que poderia confirmar sua ressurgência; resultado: vitória do time de Mourinho por 2x0. Ronaldinho, sumido na maior parte do tempo, só apareceu quando perdeu um pênalti. Até aí, nada de mais, até que nessa semana o jornal italiano Corriere della Sera publicou reportagem na qual apurou que Ronaldinho havia bancado uma noitada com direito à muita bebida e garotas para ele e amigos num hotel de luxo em Milão. Tudo isso na véspera do derbi. Há sempre aqueles que saem em defesa desse tipo de atitude alegando que a vida privada do jogador não interessa a ninguém. Pura tolice, pois não se trata disso, mas sim de uma questão de profissionalismo. Assim como outras celebridades que pecam pelo ridículo do estrelato narcisista e pela ausência completa de bom senso, Ronaldinho Gaúcho é um péssimo profissional. E ainda tem gente que quer o jogador na Copa de 2010... haja memória curta!

Estação do Verão, sol, calor, ahhh, tudo que delicia o brasileiro! E também que provoca incontáveis transtornos em cidades com problemas crônicos de falta de infraestrutura. Afora o calor insuportável, em quase todos os fins de tarde caem as famigeradas pancadas de chuva. Enchentes, ventanias, ruas que se tornam rios, prejuízos diversos, trânsito ainda mais caótico do que já é normalmente, cortes de energia, pânico, árvores despencando, morte. Desde que me conheço por gente, observo a mesma história nesses meses que abrem o ano. Depois de tanto oba-oba com obras como piscinões ou ampliação da calha do rio Tietê, o caos continua idêntico, talvez pior.  A verdade é que num país como o Brasil, o poder público corrupto e inoperante não realiza nem mesmo o básico, como podas nas árvores ou manutenção da rede de fornecimento de energia. Não há como aceitar que no século XXI, na maior cidade do país, uma árvore caia em plena Ponte das Bandeiras e mate uma pessoa. A vida nas grandes cidades se torna a cada dia mais inviável, ao mesmo tempo em que a especulação imobiliária prossegue avançando assustadoramente, significando mais trânsito, mais ilhas de calor, mais impermeabilização do solo, mais demanda por energia...
Só nos últimos dez dias, é a segunda vez que o bairro onde moro e outros da região Oeste da capital paulista, sofrem com prolongada falta de energia. Somadas as duas vezes, foram 13 horas às escuras. Que país é esse? País do futuro? Há quem propale essa ladainha há décadas! Futuro distante esse! É típico do ufanismo e da falta de seriedade de boa parte da população brasileira, projetar idílios anacrônicos, enquanto a acomodação e o improviso rolam soltos no presente, que tanto pede ao menos um espírito crítico diante da esbórnia tupiniquim. Em tempo: tudo ocorrendo no mesmo momento em que Lula deve ajudar o ditador Hugo Chávez na crise energética da Venezuela...

Ontem, 04/02, o jornal Folha de São Paulo divulgou matéria em que apresentava os gastos de verba pública na construção de estádios para a Copa de 2014. Como já vêm apontando aqueles que não se ufanam com eventos que nada irão acrescentar ao desenvolvimento do país, 94% do dinheiro a ser gasto virá dos cofres públicos! É de pasmar! Como se não bastasse, os estádios que irão sugar mais verba são justamente aqueles que mais farão uso do dinheiro do contribuinte. A se repetir, e é o que tudo indica, o que já ocorreu no Pan 2007, os gastos devem aumentar ainda mais. E isso diz respeito apenas à Copa, depois tem a Olimpíada! É a cara do Brasil!