sexta-feira, 8 de agosto de 2014

O futebol brasileiro e outras mazelas


E após um longo hiato, eis que este espaço volta a dar as caras ao mundo e, principalmente, ao país do futebol (muitos e muitos risos!). Agora, na mais completa falta de elementos que possam preencher sua surrada e mentirosa propaganda, o governo vende a ideia de que a Copa do Mundo foi um sucesso (e como tem gente que compra!), mesmo com os problemas dentro e fora dos estádios, vide os casos do Mané Garrincha, do Maracanã e do ataque sofrido por torcedores ingleses em São Paulo. Mais uma vez se observa que o fato do PT estar no poder por tanto tempo é fruto sobretudo da ignorância do povo.
"A Copa foi um sucesso em termos futebolísticos", poderão afirmar: huummm..., será? Esse mundial poder até ter sido um pouco melhor do que os últimos seis que, exceto pelo de 1998, foram todos modorrentos, ainda assim, não teve partidas tão bem disputadas e emocionantes como Suécia x Romênia em 1994 ou Inglaterra x Argentina em 1998. E digo mais, se a primeira fase, com muitas seleções ridiculamente fracas proporcionou algumas goleadas que elevaram a média de gols, o mesmo não se viu a partir das oitavas, com vários empates em zero a zero.
Por outro lado, a grande diversão ocorreu no dia 08/07, com o histórico 7x1 imposto pela Alemanha contra o timeco de peladeiros vestidos de amarelo, fazendo com que meus ataques de riso permaneçam até hoje! O jogo escancarou de maneira absolutamente gritante, mais do que fatores propriamente técnicos, a total decadência tática que tomou conta do futebol brasileiro, carente de variações, engessado por esquemas superados e falta de movimentação, falho nos fundamentos e pautado pelo defensivismo. As linhas de passe executadas pelos germânicos dentro da área tupiniquim, como se aquilo fosse um treino recreativo de profissionais enfrentando crianças e a facilidade extrema na construção da sonora lavada não deixam pensar outra coisa. Para quem vivia falando do Maracanazzo de 1950, ocasião em que um duelo disputado, no qual não houve lugar para desonra, deu a vitória de virada para os uruguaios, o Mineiraço de 2014 enterra por completo a lembrança do vice obtido na primeira Copa disputada em terras brasileiras como exemplo de vexame, até porque aquilo não foi vexame, já os 7x1... (gargalhadas!). Não pense você, no entanto, que o ufanismo típico da brasilidade deixará de vicejar, pois ao invés de se preocupar com aquilo que realmente importa no desenvolvimento de uma nação, o brasileiro típico continuará acreditando que o Brasil é iluminado por um milagre sobrenatural onde nada do que compõe a realidade tem importância: ele ainda crê que seu país é o país do futebol (como se isso fosse relevante), que MPB é a melhor música (e que Chico Buarque preste para alguma coisa, seja em termos artísticos ou políticos), que aqui é o melhor lugar do mundo para se viver, que o povo Brasileiro é o mais alegre, hospitaleiro e blá-blá-blá..., enquanto isso, mais um gol da Alemanha, mais um político fazendo festa com dinheiro público, mais uma vítima da violência...
E o sr. Luiz Felipe Scolari? Bem, está no limbo do esquecimento, certo? Errado! Cerca de vinte dias depois do vexame hecatômbico, ele aparece feliz e sorridente no comando técnico do Grêmio, como se nada tivesse acontecido. Nação surreal essa onde se adora premiar a decadência e a incompetência. Será que os tricolores gaúchos ainda estão na década de 1990, aquela já longínqua época em que se "amarrava cachorro com linguiça", como afirmou um certo treinador quando questionado a respeito de eras passadas do futebol? Pois é, devem estar renovando...
Futebol à parte, daqui dois meses teremos eleições nacionais e o apagão hídrico em São Paulo, maior colégio eleitoral e mais importante unidade federal do Brasil, governada pelos tucanos há vinte anos, certamente fornecerá chumbo grosso para a campanha do PT. Sempre que devem assumir responsabilidades os políticos de qualquer partido saem pela tangente e jogam a culpa em fatores impessoais, como a natureza, mas o fato é que o PSDB se tornou tão fraco que não é preciso mesmo muito mais do que a falta de nuvens para impor outra derrota ao tucanato. Em um momento em que o "menos pior" é válido como nunca antes, a inabilidade dos tucanos, tão incompetentes e corruptos quanto o PT, mas isentos do caráter ditatorial deste, poderá nos custar mais um mandato vermelho e o comunismo cada vez mais consolidado.
Bem, no fundo, essa questão da natureza e do meio ambiente não deixa de estar intimamente relacionada com a falta d´água. Sempre ouvi de muitos professores (todos esquerdistas) que a Europa havia devastado quase por completo suas formações vegetais e, após o privilégio de ter feito minha segunda viagem ao Velho Mundo no mês passado, cheguei à conclusão de que estes professores confundem urbanização com devastação ambiental, já que em praticamente todas as cidades europeias, sejam de grande, médio ou pequeno porte, a enorme profusão de áreas verdes e parques destinados ao desfrute do cidadão e do turista revelam que o tecido urbano não precisou derrubar a vegetação para se estabelecer. Aqui no Brasil, onde se consome e se exporta toneladas de carne, as grandes massas vegetais são pulverizadas cada vez mais para a abertura de pastagens e lavouras destinadas à alimentação do gado. Assim, a despeito da falta de ação governamental, o apagão hídrico não chega a ser de todo surpreendente, de vez que as chuvas dependem em boa medida da umidade lançada pela vegetação.
E por falar em esquerdistas, eles não poderiam deixar de botar suas mãos sujas no que diz respeito ao conflito na Faixa de Gaza. É óbvio que detestam a próspera democracia liberal israelense, mais um exemplo que desmente as teses de esquerda, mas o incrível mesmo é notar os paradoxos dessa gente: se dizem contra as religiões instituídas, mas apoiam o fanatismo e as teocracias islâmicas, se dizem feministas, mas não dão um pio para protestar contra a terrível condição submissa da mulher perante o Islã, se dizem pacifistas, mas além da manjada idolatria a assassinos históricos como Che Guevara, acreditam que o terrorismo do Hamas, que ensina a prática do ódio e da mais pura violência às crianças desde os primeiros anos de sua infância, é capaz de pleitear a criação do Estado Palestino. E quando se levantam em defesa da justiça, o que têm para dizer sobre o que a China faz com o Tibete, o que o governo sírio faz com os civis, ou o que o Boko Haram faz com populações africanas? Nada! Esquerdistas, de tão safados e imbecis, não deveriam ser levados a sério, mas o problema é que o canto de sereia dessa gente embala a muitos, por isso é dever das pessoas de bem combater ferrenhamente a essa turma. Como bradava Churchill: "jamais nos renderemos"!