segunda-feira, 5 de julho de 2010

Au revoir!


A famigerada seleção de Dunga está fora da Copa. Como muitas pessoas inteligentes afirmaram desde a última sexta-feira, foi a melhor coisa que podia acontecer ao combalido Brasil. Seria um enorme desserviço ao futebol se um catadão cuja imagem mais perfeita é a do carniceiro Felipe Melo, ganhasse o mundial. Uma seleção arrogante, comandada por um técnico estagiário, grosseirão e prepotente, recheada de jogadores que mesmo sem terem tido até hoje grande sucesso no futebol, se acham os tais. Um Robinho mascarado, um Kaká, o maior lobbista da história do futebol mundial, mostrando seu joguinho pífio, como sempre. Um bando de boleiros que em nada representa o país, muitos deles convocados apenas porque atuam no exterior. Ninguém tem a menor dúvida de que nomes como Elias, Hernanes, Neymar e Ganso são muito melhores do que os pernas de pau dessas posições que foram à África do Sul. Com esse escretezinho de meia tigela eliminado, reduz-se um pouco o ufanismo tolo dos brasileiros, acaba-se de vez com as patriotadas sazonais e a atenção deixa de estar voltada somente para a inútil seleção brasileira (não quero nem pensar como será em 2014, haja estômago!).
Como invariavelmente ocorre, não falta nesses momentos de Copa do Mundo a figura patética do nacionalistazinho-autoritário. Percorrendo fóruns de discussão logo após a eliminação brasileira, topei com vários patrioteiros bradando os impropérios mais estapafúrdios, coisas do tipo: "quem não honra a pátria deveria ser preso", ou "quem torce contra é desprezível, dá risada enquanto o mundo está a lhes tirar sarro". Só rindo! Médici vibra no túmulo com seus filhotinhos extemporâneos. Seria interessante observar o que esses sujeitos bizarros fazem no dia-a-dia para contribuir com o bairro onde moram, por exemplo, ou o que realizam de bom, em geral, como cidadãos. É paradoxal ainda o fato de que os atletas brasileiros que participam de Jogos Olímpicos, a maioria deles tendo que suar sangue para poder treinar, gente que realmente representa o país, não são alvo dos exageros ufanistas típicos do futebol. É bobo mesmo o brasileiro comum!
Bom, para finalizar, o blog estará ausente de novas postagens no restante do mês de julho, voltando em agosto. Ao leitor que estiver interessado, aproveite para dar uma lida em postagens antigas e apreciar o novo visual da página, em tons mais pastéis e mais espaço em branco ao fundo.
Boas férias para quem as tiver e au revoir!

quinta-feira, 1 de julho de 2010

A enfermidade lulo-petista (e chega desse assunto!)


De uns tempos para cá, cheguei à fatídica conclusão de que nenhum crítico do governo de Lula deve mais escrever sobre o presidente. Quanto mais Lula é golpeado com as críticas absolutamente devidas a seu péssimo governo, disparado o mais corrupto e um dos mais arcaístas e autoritários de nossa história, mais sua aprovação cresce entre os brasileiros, e não só entre as camadas mais desprivilegiadas e desprovidas de instrução, mas até mesmo entre as classes médias urbanas das grandes cidades. Lula é como certos personagens de HQ´s, aqueles caras que apanham brutalmente, mas que absorvem toda a energia do oponente e se tornam mais fortes à medida que continuam apanhando. Lula deve ser esquecido por completo entre os que enxergam a perfídia que ele representa.
O período de Copa Mundo faz com que o povo permaneça dormente em relação a assuntos outros que não o futebol, mas o mundial já está chegando ao fim e, tão logo termine, as eleições presidenciais de 2010 passarão a ocupar o centro das discussões no país. Segundo as últimas pesquisas de opinião junto ao eleitorado, a candidata petista, Dilma Roussef, fantoche de Lula e do PT, já está à frente do tucano José Serra. Desde antes mesmo de Dilma ser oficializada como candidata da estrela vermelha, li diversos artigos de politólogos afirmando quase peremptoriamente que Dilma não tinha chances no pleito porque sua figura política era anódina, porque ela jamais recebeu um voto, por nunca ter realizado nenhuma administração pública e até mesmo por seu nome ser quase impenetrável ao eleitor vítima do populismo petista nos rincões mais afastados do Brasil. Parece que todos eles se enganaram. É Lula quem continuará recebendo votos, Dilma não precisa deles, precisa apenas se transmutar cada vez mais no próprio Sassá Mutema da vida real que nos governa.
Não tenho mais dúvida de que a contínua ascensão lulista é um fenômeno tipicamente brasileiro, ajudada em grande parte por uma oposição que não é capaz nem mesmo de defender suas próprias bandeiras, quanto mais de apontar os malefícios nefastos do governo petista. José Serra e seu PSDB (exceto por FHC), depois que o PT tomou o poder, jamais conseguiram estabelecer um plano político claro e convicto baseado em desenvolvimento educacional, científico, tecnológico, com carga tributária decente e sustentado por uma democracia concreta. A oposição ao PT simplesmente não existe porque ainda está presa à falácia social-democrata, algo que nunca existiu em lugar algum do planeta. Apenas no Brasil ainda persiste um partido que acredita nisso. É muito mais fácil e eficiente, como pratica o PT, levar a cabo o velho populismo agrarista da Velha República, remodelado e adaptado a um Brasil mais urbano e massificado. Seduz o populacho que recebe Bolsa-Família e, quanto às classes médias urbanas, grande parte de seus representantes se contenta em sentar na poltrona, zapear o controle remoto e assistir futebol, novelas globais, Faustão e Pânico na TV. Esse conforto privado, supra-sumo da mediocridade, basta ao brasileiro típico, e Lula é o cara legal, o boa praça que mantém essa vidinha intacta. Não falta mais nada para blindar o governo quando os veículos da imprensa chapa-branca divulgam os números do "crescimento" do Brasil. Nada é tão fácil quanto ludibriar o brasileiro que não se interessa por nada que vá além do seu mundinho afeito às amenas platitudes cotidianas. Sala, TV, geladeira, frango assado com talharim, casa da sogra...
O "crescimento" à brasileira é uma piada ridícula quando se atenta para o fato de ser baseado apenas em exportação de commodities. Nada mais típico de um país que não sai do lugar há anos. Aumenta o PIB? Claro que sim! E daí? De que vale um PIB bom num país totalmente heterogêneo, com péssima distribuição de renda e carga tributária sufocante que resulta em serviços públicos dignos de África Subsaariana?! A ilusão diante da panaceia lulista não permite enxergar que o IDH brasileiro é medonho perto até mesmo de outros países da América do Sul, imagine de nações desenvolvidas. IDH? É correto supor que no mínimo metade dos brasileiros não sabe o que é isso. Bastaria apontar que o investimento do governo do PT em educação, ciência, tecnologia e meio ambiente foi quase nulo desde 2003. Só que Lula é amigão e prepara um belo churrasco aos domingos. É a cara do Brasil!
Com a continuidade anunciada do atraso e do autoritarismo representados pelo PT e com uma oposição perdida em seus próprios devaneios, o Brasil tem tudo para permanecer no atoleiro. E chega de Lula, pelo menos até 2011.