quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Boicote às empresas que patrocinam crueldades


A morte de um bezerro em Barretos foi mais um dentre os incontáveis episódios de crueldade de seres humanos contra animais. Mais um ato extremamente deplorável.
O uso de animais com a finalidade de divertir pessoas, mesmo quando não envolve crueldade, já pode ser reprovado do ponto de vista ético. Quando implica em sofrimento dos animais, o que de fato costuma acontecer com frequência, merece a mais veemente condenação. Vale lembrar que a Lei Federal de Crimes Ambientais 9.605/98, em seu artigo 32, condena todo aquele que "praticar ato de abuso e maus-tratos a animais domésticos ou domesticados, silvestres, nativos ou exóticos", com pena de detenção de três meses a um ano, e multa (a pena é aumentada de um sexto a um terço se ocorrer a morte do animal).
A prática do rodeio, exatamente por ser essencialmente cruel, já tem sido proibida em várias partes do Brasil, mas não existe ainda uma lei federal que se refira especificamente ao assunto ou que inclua os rodeios na Lei de Crimes Ambientais. Já passa da hora de fazê-lo, não há nenhum motivo justo e racional que não o recomende, muitíssimo pelo contrário.
Não é necessária uma análise minuciosa para que se chegue à conclusão evidente acerca do rodeio: uma prática atrasada, atroz e degradante, assim como as touradas, as rinhas ou qualquer outra coisa do tipo. São atos bárbaros e selvagens, feitos sob medida, por incultos para divertir incultos, só mesmo quem é capaz de enxergar diversão às custas de crueldade.
Tem sido crescente a quantidade de pessoas a se manifestar contra as crueldades impostas aos animais, o que revela uma evolução da ética e das consciências, porém, persiste também o outro lado, ou seja, a total falta de consideração em relação aos seres sencientes não-humanos. Aquilo que o budismo vem ensinando há milênios continua ignorado pelo discurso especista, uma forma rigorosamente falha de pensamento que, no fim das contas, não autoriza a defender nenhuma vida, nem mesmo as humanas, já que elas próprias devem permanecer imersas em sangue e violência num mundo que não se importa com o sofrimento dos animais.
O lobby de eventos como o de Barretos ainda é fortíssimo, por isso creio que a melhor maneira de começar a tentar reverter a situação e minar as bases que sustentam os rodeios deve vir da ação consciente do cidadão. Boicotar as empresas que patrocinam a crueldade é fundamental, o que, além disso, pode fazer com que essas marcas, aos poucos, comecem a ficar mal vistas por um contigente maior de consumidores. Isso levanta a possibilidade delas se verem forçadas a retirar o patrocínio. As empresas citadas abaixo são aquelas que patrocinam o evento desse ano em Barretos. O dever do cidadão ético e consciente é boicotar tais empresas e incentivar os outros a proceder do mesmo jeito. Faça sua parte!

ANTARCTICA
BRAHMA
CENTERPLEX BARRETOS
EDITORA TRÊS
FOGOS XINGU
GRANOL
HONDA
JBS-FRIBOI
MINERVA ALIMENTOS
NET BARRETOS
NORTH BARRETOS
REDECARD
SAVEGNAGO SUPERMERCADOS
SESI
TURISMO PELO BRASIL.NET
UNIFEB
UNIMED BARRETOS
UOL
VALTRA

* PS: caso alguém souber de mais empresas que patrocinam rodeios ou outras formas de crueldade, cite-as no espaço destinado aos comentários.

3 comentários:

  1. A Globo tem exibido cenas do rodeio, como mostra os gols da rodada no jornal de manhã.

    ResponderExcluir
  2. Exato, Lu.
    Hoje, por exemplo, o programa da Ana Maria Braga exibiu cenas de, pasmem, rodeio infantil. Crianças aprendendo crueldade. Devemos enviar e-mails de repúdio à Globo.

    ResponderExcluir
  3. Um sujeito, vinculado ao site turismo pelo Brasil, ou apenas em defesa do mesmo, comentou em relação a esta postagem (uma mensagem terrivelmente mal escrita, por sinal) mencionando tudo aquilo que o tal site promove (citou até mesmo turismo ligado à pesca, denotando assim sua completa ignorância em relação ao teor das discussões feitas pelo Aristaire). Mencionou ainda um projeto de reciclagem e de ajuda ao Hospital do Câncer de Barretos.
    Além de dar a entender que rodeio é manifestação cultural que só por isso se justifica, sem atentar para a prática em si, há uma grave contradição no discurso do comentarista, haja vista que a suposta ajuda aos doentes de câncer depende da crueldade com relação aos animais. É óbvio que qualquer ação que ajude pessoas merece louvor, mas apenas e tão somente se a verba independer de algo execrável como rodeios. É possível tomar atitudes concretas e corretas de muitas maneiras, mas tal não justifica, de modo nenhum, atos de crueldade contra animais, tampouco apoio dirigido aos mesmos.
    Estamos mais do que conversados e o boicote às empresas patrocinadoras de rodeio continua com tudo.

    *PS: sugiro que qualquer empresa que ainda se preste a patrocinar o evento em Barretos, retire-o de imediato, pois tem se tornado cada vez mais reprovado pela opinião pública. Assim, o serviço aos humanos poderá se manter em vigência, sem que para tanto tire vantagem da crueldade contra os animais.

    ResponderExcluir